Editorial de Junho

sitio2300

Fazendo jus à fugacidade do tempo de que falávamos no nosso editorial de maio, o mês de junho chegou tão rapidamente como prevíramos, até porque maio foi um mês intenso em todas as escolas do Agrupamento em termos de atividades. E junho promete manter o ritmo, que parar não está no nosso ADN.

Para já, para além de todas as atividades inerentes ao terminus do ano letivo e à receção do próximo, junho trouxe-nos um tempo mais ameno, libertou-nos dos casacos, das botas e dos cachecóis, voltou a possibilitar-nos o prazer de sentir mais amiudamente as carícias do sol e a permitir-nos sonhar com o tempo liberto das tarefas em tempo certo, ou seja, com as tão merecidas e sonhadas férias. É o ciclo da vida a concretizar-se nos seus rituais seculares de fim e de recomeço e a mostrar-nos que teremos sempre oportunidade de melhorar.

Porém, para que nós, «bichos da terra tão pequenos», como diria Camões, tenhamos energia e capacidade criadora para acompanhar os ciclos da natureza e melhorar precisamos de momentos de pausa, que podem, e devem, ser sonhados antecipadamente – porque o sonho é por si só verdadeiramente prazeroso e motivador. Por isso mesmo, neste editorial de junho, surgiu-me um desejo premente de vos falar de FÉRIAS. E é precisamente à volta dessa palavra mágica que planeei e construí este editorial.

Pelo menos no nosso país, a palavra férias tem o beijo quente do sol estival, o cheiro e o sabor da maresia, a cor e o som do murmurejar do mar, a sensação da brisa a afagar-nos o rosto e a sensação da areia a escorrer-nos pelos dedos, o barulho do rebentamento das ondas contra as rochas ou, simplesmente, a morrerem na praia, o esplendor da luminosidade soberba e única dos dias e o brilho não menos luminoso das estrelas que enchem os céus à noite.

Para mim e para muitos que me leem a palavra férias tem ainda o prazer reconfortante dos dias e das noites sem fim, a concretização de leituras que nos pareceram já eternamente adiadas – a Sophia a lembrar-nos o mar e as dunas; David Mourão-Ferreira a lembrar-nos quão intenso pode ser o amor; Mário de Sá Carneiro a lembrar-nos a inquietude da vida e um ou outro escritor propiciamente descoberto nesta altura de lazer a fazer-nos sentir como são absolutamente fascinantes e recompensadoras, até para a (re)descoberta de nós próprios e dos insondáveis mistérios da vida, as experiências de leitura.

Na palavra férias há também o inebriante e complexo prazer da descoberta do desconhecido ou, simplesmente, da redescoberta do conhecido. Tempo de férias é tempo de viagens, de viagens reais ou imaginárias, como são, por exemplo, as que fazemos, num reencontro com a memória, aos lugares e às pessoas da nossa infância ou da nossa imaginação, e as que encetamos através das leituras de que falámos anteriormente, as quais, inevitavelmente, sem sequer nos apercebermos, acrescentam muito, ou alteram até, significativamente, o que pensamos, o que sentimos e o que somos.

Depois, há o reconforto de nos podermos abandonar à doçura langorosa da preguiça. Mantermo-nos estendidos horas e horas a fio em cima de uma toalha na convidativa areia da praia, sob um chapéu colorido com uma publicidade qualquer, ou abandonarmo-nos nos braços de uma cadeira reclinada como se, por algum milagre dos deuses ou do destino, o tempo se tivesse esquecido de nós, reconforta-nos o corpo e a alma e faz as delícias do maior hiperativo.

Afinal férias são férias. E todos, mesmo os obsessivo-compulsivos com o trabalho, precisam de, tempos a tempos, encontrar a «praia lisa» que elas constituem. Por isso ninguém deve abdicar das férias e muito menos do prazer de sonhar com elas, de as pensar e planear ao pormenor, com lugares estudados em noites em que não nos apetece dormir e conversas animadas durante o jantar, pois isso seria abdicar de momentos reconfortantes e indispensáveis às nossas vidas. Deixo-vos com este pensamento, esperando que encontrem, no prazer de pensar e sonhar as vossas férias, motivação para esta fase final do ano letivo.

Lucinda Santos

Anúncios

2 Comments

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s